O principal general dos EUA testemunhou que Pence – não Trump – ordenou que as tropas da Guarda Nacional respondessem aos distúrbios de 6 de janeiro

By | Junho 10, 2022
O presidente do Estado-Maior Conjunto, Mark Milley, foi mostrado em vídeo durante uma audiência na quinta-feira. (Jonathan Ernst/Reuters)

A deputada Liz Cheney, vice-presidente do comitê em 6 de janeiro, divulgou um novo vídeo da entrevista do comitê com o Estado-Maior Conjunto Mark Milley dizendo que o então vice-presidente Mike Pence foi quem ordenou que os soldados da Guarda Nacional respondessem à violência em janeiro 6 de 2021, mas que a Casa Branca lhe disse para dizer que era o ex-presidente Trump.

“Vice-presidente Pence – houve duas ou três ligações com o vice-presidente Pence. Ele estava muito vivo e dava ordens muito explícitas, muito diretas e inequívocas. Não havia dúvidas sobre isso”, diz Milley no vídeo.

“Ele estava muito vivo, muito direto, muito firme em relação ao secretário Miller. Traga o exército aqui, traga o guarda aqui. Anote essa situação, e assim por diante”, acrescentou, referindo-se a Pence.

Milley também descreveu suas interações com o chefe de gabinete de Trump, Mark Meadows, naquele dia, traçando um forte contraste entre essas conversas com Pence.

Ele disse: Devemos destruir a narrativa de que o vice-presidente toma todas as decisões. Precisamos estabelecer uma narrativa, sabe, que o presidente ainda está no comando e que as coisas estão estáveis ​​ou estáveis, ou palavras nesse sentido”, diz Milley no vídeo, referindo-se ao que Meadows lhe disse.

“Eu imediatamente interpretei isso como política. Política. Política. Uma bandeira vermelha para mim pessoalmente. Nenhuma ação. Mas lembro-me claramente disso”, acrescentou.

A CNN informou anteriormente que Pence, não Trump, permitiu a mobilização de tropas da Guarda Nacional para responder aos distúrbios.

Um vídeo do testemunho de Milley, que continua sendo o principal oficial militar dos EUA agora no governo Biden, fala sobre como o comitê procurará destacar o que Trump fez, não fez, porque a violência saiu do controle – algo que a CNN informou anteriormente será uma área foco durante as audiências públicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.